CPJA reúne especialistas para debater Áreas de Preservação Permanente.

CPJA reúne especialistas para debater Áreas de Preservação Permanente

O Centro de Pesquisa Jurídica Aplicada da FGV DIREITO SP (CPJA) realizou no dia 9 de fevereiro o segundo workshop da pesquisa: Desafios para a regulamentação das Áreas de Preservação Permanente Urbanas.  A pesquisa é coordenada por Nelson Novaes Pedroso Jr, do CPJA, e pela bióloga e consultora ambiental Sandra Steinmetz, e tem como objetivo discutir os limites e as possibilidades de uso das APPs no contexto urbano e propor um instrumento regulatório mais adequado e eficiente.
Neste encontro foram apresentados os resultados de uma pesquisa survey, respondida por 583 gestores públicos e especialistas ambientais, urbanistas e juristas.  Entre os principais achados, destaca-se a grande importância atribuída às funções hidrológicas, de drenagem e de estabilidade geotécnica e geológica das APPS em espaços urbanos.  Segundo 78,9% dos respondentes da pesquisa, as funções das APPs urbanas são diferentes daquelas presentes nas áreas rurais. Mais expressiva ainda foi a proporção de pessoas (86,5%) que acredita que existam problemas de insegurança jurídica das normas de delimitação das APPs previstas no Código Florestal quando aplicadas em áreas urbanas consolidadas, sendo que 93% dessas concordaram que uma forma de reduzir essa insegurança jurídica seria por meio do estabelecimento de uma regulamentação específica para as APPs urbanas. Com base nos resultados apresentados, os participantes do workshop debateram sobre as definições e os parâmetros e condicionamentos necessários para a regulamentação das APPs urbanas e quais seriam os entes federativos responsáveis pela regulamentação e fiscalização. “Também recebemos nessa pesquisa muitas sugestões, entre elas a de se dar incentivos para a proteção e recuperação das APPs nas cidades, pois só uma nova regulamentação não seria suficiente para garantir a preservação”, conta Sandra.
"Apesar de diferentes posições terem sido manifestadas durante o evento, é consenso entre todos que as APPs urbanas precisam ser requalificadas de forma a gradualmente terem recuperadas e garantidas suas funções ambientais e sociais. O desafio é como promover isso por meio de um instrumento regulatório mais adequado às diferentes realidades ambientais e socioeconômicas das nossas cidades", conclui Nelson. 
As novas etapas da pesquisa incluem um café da manhã com a Frente Parlamentar Ambientalista do Congresso Nacional, um seminário e um policy paper sobre estratégias de regulamentação das APPs urbanas.

11/02/2015

Comentar

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <cite> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd> <p>
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.

Mais informações sobre as opções de formatação

To prevent automated spam submissions leave this field empty.